Exper News - Dicas

Dicas e Dúvidas


Diferença entre equipes e times corporativos

por José Haddad

Paradoxalmente, todo ser humano, ao mesmo tempo em que nutre uma necessidade de viver em liberdade, necessita se sentir ligado, pertencente, a um grupo. Nele, ter uma representação. Representar esse grupo e/ou ser representado por ele. Isso acontece tanto na área dos relacionamentos pessoais quanto profissionais.

Somos seres grupais. Nascemos de uma dupla - papai e mamãe - e formamos um trio, a partir daí. Nossa primeira “tribo”.

Quando pertencemos a uma “tribo” nos sentimos mais protegidos e isso amplia nossa segurança para encararmos o mundo.

Toda organização, de alguma maneira, é uma “tribo”. Toda “tribo” tem suas regras próprias. Mas considerando o mundo globalizado e a competitividade para se manter líder de mercado, corporações modernas precisam adotar procedimentos de vanguarda, compatíveis com as exigências do mundo moderno. E a maior diferença não está somente na tecnologia empregada, mas, antes disso, nas atitudes de seus colaboradores e no senso de corporativismo que os envolve.

Podemos observar essa diferença, analisando as características que diferenciam uma equipe de um time.

Até algum tempo atrás, mais precisamente a partir da revolução industrial, acreditava-se que contratar os melhores do mercado em suas respectivas áreas de atuação - um bom QI (Coeficiente de Inteligência) - garantia o sucesso da organização. Hoje, sabe-se que isso não é o suficiente.

Em uma equipe, todos são profissionais que têm expertise no que fazem, um alto QI e desempenham seu trabalho de forma coerente com seus conhecimentos, mas também, de forma compartimentada. Estabelecem prioridades baseadas em seus próprios critérios. A gestão costuma ser isolada de seus pares. Existe carência de comunicação e nem todos costumam estar alinhados com as estratégias da Organização, senão com suas próprias estratégias. Até mesmo porque a estratégia da organização não é difundida e a cobrança é particularizada. Na equipe, cada um se compromete a fazer o seu melhor e geralmente faz isso sozinho, não dividindo seu conhecimento ou dividindo com poucos e de forma incompleta. O resultado é individualizado e o resultado da empresa, a soma dessas individualizações. Em equipe, algumas estrelas sobressaem gerando sombra e preconceito no restante da equipe. Todos tentam se isentar de eventuais fracassos. Equipe é assim, cada um faz o seu e ponto. Qualquer coisa fora disso, passa a ser responsabilidade do outro.

Por exemplo, um atacante - estrela - faz quatro gols na final de um campeonato, mas a equipe perde de cinco a quatro. Ao final do jogo, argumentará que foi contratado para fazer gols e que fez a parte dele, culpando o goleiro e os zagueiros pela derrota. Isso é próprio de equipes, não de times.

Então, como se constroem times?

Todo time já foi, um dia, uma equipe. A diferença é que, quando um líder está transformando uma equipe em time, ele desenvolve o QE - Coeficiente de Inteligência Emocional – do time. Todos aprendem a lidar bem consigo mesmo e com os seus pares. Têm acesso à estratégia da organização. Podem dividir suas idéias. As funções e as atribuições são redefinidas. Todos passam a se preocupar com todos. A comunicação flui. Passam a estabelecer suas prioridades, baseadas nas prioridades de seus pares. A responsabilidade com a performance e  o resultado pretendidos passa a ser de todos. Ampliam sinergia e comprometimento.
Em um time, não há diferenciação, todos são fantásticos. Uma perfeita constelação.
Escolas de samba, se preparando para o carnaval, são os melhores exemplos de times que conheço:
- Vestem, literalmente, a camisa da escola;
- Respeitam hierarquia por uma questão de ordem;
- Trabalham por amor à escola, geralmente mais do que oito horas por dia, incluindo sábados, domingos e feriados;
- Fazem sua tarefa com perfeição e se colocam à disposição para ajudar outras alas da escola, entendendo que se tudo não estiver cem por cento, a escola perde;

Além disso:
- O enredo cantado na avenida, traz a sensação de liberdade;
- E, independente do resultado, desfilam felizes, com espírito de campeões.

José Haddad - Palestrante, Coach, Mentor, Master Practitioner em PNL, Naturoterapeuta e Escritor com larga experiência profissional, já tendo ocupado cargos executivos em grandes empresas, treinado e motivado pessoas em diversas áreas do universo empresarial. Especialista em Comportamento Humano e Organizacional com formação em várias áreas, por instituições reconhecidas nacional e internacionalmente.v Sua atuação engloba: Desenvolvimento Pessoal, Desenvolvimento Profissional, Gestão Empresarial, Gestão da Qualidade, Gestão Pública e Responsabilidade Social.
Exerceu várias funções públicas, dentre elas:
Presidente do Fórum Estadual de Secretários de Turismo – FEST RJ
Secretário de Turismo de Niterói - RJ
Conselheiro do Conselho Estadual de Turismo - RJ
Conselheiro do Conselho Empresarial de Turismo da Associação Comercial – ACRJ
Vice-Presidente do Conselho da Ass. Brasileira de Municípios RJ
Ex-Secretário de Desenvolvimento Ciência e Tecnologia de Niterói RJ