Exper News - Entrevista

Entrevistada


Cláudia Martins

Exper - Para que nossos leitores possam conhecê-la, conte-nos um pouco sobre sua trajetória profissional?
Cláudia Martins
- Aos 17 anos entrei na faculdade de Administração de Empresas com especialização em Comércio Exterior, e então trabalhei com importação e exportação de vários produtos e em mercados distintos, entrando no mercado de arquitetura em 1994, em uma empresa de móveis para escritório, atuando primeiramente em comércio exterior. Mas sempre buscando novas tarefas e acessar diferentes temas, em 2000 fiz MBA em Marketing na ESPM – Campinas, atuando a partir de então como gerente de marketing e em seguida agregando a experiência na área comercial. Em 2005 fui contratada pela Interface Brasil, e atuando na área comercial fui contagiada pelo tema da sustentabilidade e todo o legado da trajetória do Ray Anderson. Foi então que comecei a participar de seminários e congressos no Brasil e nos Estados Unidos, e fiz uma especialização na Fundação Dom Cabral, com o objetivo de me inserir no contexto da sustentabilidade. A paixão e motivação pelo tema foi fundamental para fazer apresentações e começar a compartilhar a experiência e práticas da Interface no mundo todo aqui no Brasil.
Este envolvimento trouxe ações locais como a implementação do showroom LEED em São Paulo, e parcerias locais de redução de impacto, ações sociais e ambientais em diversos níveis. Em 2008 assumi a Diretoria da Interface Brasil, responsável pela operação comercial e administrativa da empresa.

Exper - Fale um pouco da Interface?
Cláudia Martins
- Há mais de 20 anos no Brasil, a Interface vem desmistificando o uso de carpetes no país, apresentado ao mercado um produto de altíssima qualidade, com base em conceitos como inovação, estética, funcionalidade e sustentabilidade, resumidos na expressão Desenho com Propósito (Design with Purpose).
Cada região do Brasil possui cultura e características próprias, por isso dispomos de um atendimento que compartilha e entende o dia a dia de cada localidade. Este é um dos principais diferenciais da Interface.
Ao adotar essa estratégia de atendimento diferenciado, baseado nas necessidades, condições e cultura locais, a Interface se consolidou como uma das principais marcas em seu nicho de atuação.
Além do atendimento, a empresa preza pela alta qualidade dos produtos, dispondo placas nas medidas 50cm x 50cm, e que contam com base vinílica, o que evita o acúmulo de sujeiras, líquidos e outros resíduos embaixo do carpete. De fácil manutenção, as peças podem ser limpas sem que os fios percam a cor – mesmo que limpos com produtos à base de cloro - pois são produzidos com fios Solution Dyed, e, além disso, são anti-estáticos - dissipam a energia – e anti-manchas.
Uma das qualidades mais importantes dos Carpetes Interface é o seu tratamento anti-microbial, um sistema livre de metais pesados desenvolvido e patenteado pela empresa, sob a marca Intersept®. Todos esses cuidados garantem imunidade ao carpete, pois inibe a reprodução de bactérias e fungos causadores de alergias e problemas respiratórios. Sendo assim, o tapete assume o papel de “filtro”, contribuindo para a qualidade do ar interno. Estamos quebrando os paradigmas da imagem do carpete como um dissipador de ácaros e bactérias. Um dos grandes desafios da empresa é estabelecer seus produtos como um grande aliado ao bem-estar de seus consumidores.
Atuando fortemente na região sudeste e em grande parte das regiões centro oeste e sul, e ainda na região norte do país, a Interface planeja uma expansão ainda mais agressiva nas regiões sul e nordeste. Para suprir a demanda, a marca conta com um estoque de 150 mil m², e para comprovar a qualidade tecnológica e as características sustentáveis de seus produtos, os departamentos administrativo e comercial da empresa são localizados em um escritório com certificação LEED (Liderança em Energia e Design Ambiental) categoria Silver.
Ao redor do mundo, a empresa obtém reconhecimento através dos diversos prêmios, muitos concedidos aos seus produtos, outros por suas ações efetivas nas práticas de sustentabilidade, com destaque para o Innovation Award, do conceituado jornal inglês The Guardian; The Athenaeum Good Design Award for World Textiles; Prêmio de Inovação Tecnológica do Environmental Business Journal pelo Cool Blue™, e o Prêmio GLOBE da Competitividade Corporativa, entre outros. Conta também com diversas certificações, entre elas: ISO 14001:1996 do Sistema de Administração Ambiental; ISO 9002:1994 do Sistema de Administração de Qualidade; ISO 9001:2000 de Sistema de Administração de Qualidade. Também foi a primeira empresa de carpetes a receber o certificado EPP de Produto de Preferência Ambiental (Environmentally Preferable Product, EPP) por seus produtos. No ano passado, o faturamento da empresa atingiu US$ 1,5 bilhão.

Exper - A Interface em 1994 iniciou uma mudança na forma de fazer negócios, defendendo a sustentabilidade. Como foi esse processo?
Cláudia Martins
- Visionário e empreendedor, o engenheiro Ray Anderson detectou uma oportunidade na indústria de carpetes ao conhecer o sistema modular de placas na Europa, o que o inspirou e o fez fundar a Interface em 1973, a primeira empresa do segmento a atuar nos Estados Unidos. Em pouco tempo o produto conquistou o mercado norte-americano, influenciando toda a indústria de carpetes daquele país. Em 1994, ao ser questionado sobre o que a companhia fazia em prol ao meio ambiente, Anderson desafiou sua equipe a criar uma nova forma de fazer negócio, com foco totalmente sustentável.
Ao longo de seus 40 anos de atuação, a Interface tem buscado ser a melhor e a mais inovadora empresa de carpetes modulares. E, desde 1994 a sustentabilidade passou a ser um
dos principais focos da empresa que acredita ser possível produzir produtos bonitos e de alto desempenho que sejam fornecidos com integridade e responsabilidade. Para tanto, criou o projeto Missão Zero, que tem como objetivo eliminar todo o impacto negativo que possa causar ao meio ambiente até 2020.
Para a Interface, o Missão Zero significa ter tempo para entender o mundo ecológico e todas suas espécies, assim como entender que tudo que fazemos, tomamos, realizamos e gastamos afeta o equilíbrio da natureza e, consequentemente, a vida de nossos filhos e dos filhos de todas as espécies.
Partindo deste conhecimento, a Interface defende que podemos construir os processos de nossos negócios que se assemelham a natureza e apóiem ao meio ambiente. Processos que: Sustentem ao meio ambiente sem retirar nada da terra que não possamos recolocar fácil e rapidamente; Sustentem a sociedade ao educar nossos empregados e associações sobre nosso impacto no meio ambiente e ajudá-los a criar soluções para reduzir nosso impacto; Mantenham nossa saúde econômica ao criar produtos e soluções que não somente sejam respeitosas ao meio ambiente, mas também rentáveis.

Exper - Quais são os produtos que a Interface disponibiliza para o setor corporativo?
Cláudia Martins
- A Interface Brasil comercializa todos os produtos e linhas fabricadas em nossa matriz e demais fábricas Interface pelo mundo. Nosso conceito é de oferecer todos os produtos que são desenhados com inspiração em tendências globais, adaptando ao conceito do projeto e com o serviço local. Utilizamos conceitos de Biofilia e Biomimetismo, colaborando com a concepção dos projetos dos arquitetos para um ambiente corporativo mais harmônico, mantendo a identidade da empresa. Estudos de Harvard demonstram que a produtividade dentro do escritório pode ser de 12 a 15% mais alta em projetos aonde são inseridos conceitos da Biofilia, ou seja, itens da natureza ou que remetam o conforto de áreas externas dentro dos espaços de trabalho.
Todos os produtos para tráfego severo e fazemos o cálculo para menor desperdício, ou seja, nossos clientes adquirem uma quantidade menor de produto para instalar a mesma superfície, graças ao conceito de produtos randômicos, que podem ser instalados aleatoriamente, e consequentemente, podemos fazer os acabamentos com qualquer recorte de placas do carpete. Isso gera uma economia ao projeto, e menor resíduo na obra. Além disso, todos os produtos que oferecemos no mercado brasileiro já possuem pelo menos 45% de material reciclado inclusive com alto índice de material pós consumo devido a transformação de carpete usado em matéria-prima para o novo carpete nas regiões onde possuímos fábrica. E aqui no Brasil também oferecemos processos de reciclagem do carpete usado por meio de parcerias com empresas que transformam o carpete usado em matéria-prima para outros produtos inclusive com projetos sociais, onde ONGs são beneficiadas com este ‘resíduo’, transformando em renda para a própria comunidade. Como diz o professor Sabetai Calderoni, ‘lixo não é lixo, é matéria-prima mal aproveitada’. Tentamos reduzir nosso impacto ou envio de material a aterros em todas as nossas operações.

Exper - Nessa grande trajetória a Interface recebeu uma dezena de Prêmios, relate-nos quais foram os mais representativos?
Cláudia Martins
- Mundialmente a Interface recebe inúmeros prêmios de design nos lançamentos de seus produtos, se repetindo todo ano no NEOCON, principal evento no segmento corporativo. Além de diversos prêmios em sustentabilidade, como o da Global Scan que nos últimos anos tem revelado a Interface como uma das três principais empresas em sustentabilidade, competindo com empresas de grande porte como Unilever e GE. Aqui no Brasil somos reconhecidos com prêmios em sustentabilidade e Top of Mind. Em pesquisas espontâneas realizadas pelo Datafolha, a Interface tem sido apontada como a primeira marca de carpetes em placas que vem a mente de arquitetos e clientes.

Exper - Como você definiria o momento da Interface, nos dias de hoje?
Cláudia Martins
- Com capital aberto na bolsa de valores (NASDAQ, que compreende as empresas de alta tecnologia, informática, telecomunicações, biotecnologia etc.) e faturamento de US$ 1.5 bilhões em 2012, a Interface atua em cerca de 150 países no mundo todo, tem seis fábricas (Estados Unidos, Tailândia, Irlanda do Norte, China, Austrália e Holanda) e já conquistou diversos prêmios empresarias e de produtos. Sendo que, atualmente a Interface é uma das maiores referências em negócios sustentáveis. Isto porque para nós, a sustentabilidade não é mais uma conversa sem importância que possa ser deixada de lado, é um tema central. Aprendemos que a maneira com a qual produzimos carpetes tem uma grande influência no mundo do desenho. O que fazemos e aquilo que viemos fazendo desde o primeiro dia é redesenhar o desenho. Ao redesenhar o desenho, nós estamos focando na principal responsabilidade dos desenhadores: o ciclo de vida completo daquilo que criamos. Ou seja: não é nenhum segredo que a natureza é nossa principal influência. Porque se uma empresa não é responsável pelo ciclo de vida daquilo que produz, então ela não está fazendo o que o mundo requer (de nós) hoje, que é moldar o futuro dos nossos negócios.

Exper - Qual é o estilo Cláudia de administrar a empresa e reter seus talentos?
Cláudia Martins
- Sempre gostei de trabalhar em equipe, compartilhando meus conhecimentos e aprendendo com meus colegas. Delego e confio muito em minhas equipes de trabalho, que tem responsabilidade e autonomia em suas rotinas. Hoje em dia o grande diferencial para reter talentos é valorizar propósitos para que todos tenham uma motivação maior para trabalhar em uma empresa. As novas gerações estão mais seletivas e buscam trabalhar em empresas que possuam os mesmos valores pessoais. Valorizamos cada indivíduo dentro da organização, e suas diferenças e forma de pensar são vistas como um presente que a empresa pode receber. Desta forma você se depara com ótimas novas possibilidades para o negócio, e todos sentem que suas opiniões contam para a Interface. Desta forma, você estimula novas ideias. E neste sentido a sustentabilidade é um forte pilar de valores e propósitos para reter os talentos, e o respeito ao ser humano é fundamental.

Exper - Quais sãos os projetos de sustentabilidade que a Interface implantou que vale a pena falar ?
Cláudia Martins
- Além do Missão Zero, que já mencionei um pouco mais acima, vale citar o ReEntry – programa que recicla não apenas os carpetes da Interface, como os da concorrência. Através deste programa, conseguimos converter os carpetes antigos em nova matéria-prima a fim de criar nylon reutilizável. Este processo evita o desperdício e a necessidade de mais produção de nylon novo.