Exper News - Entrevista

Entrevistado


Walter Vicioni

Exper - Para que nossos leitores o conheçam melhor, fale um pouco de sua trajetória profissional?
Walter Vicioni -
Minha vida foi e continua sendo dedicada à educação. Nesse sentido, posso destacar que me formei como professor normalista, em seguida conclui licenciatura em Pedagogia pela Universidade Mackenzie – SP e, também, cursei pós-graduação em Administração e Planejamento da Educação pelo International Institute for Educational Planning (IIEP-França). Iniciei minha vida profissional, na década de 1960, alfabetizando crianças nas denominadas Escolas Rurais e nas Escolas Masculinas de Emergência, classes escolares organizadas na periferia das cidades de Campinas e São Paulo. Em seguida, fui professor de educação básica, até ingressar no SENAI. Então, durante praticamente quarenta anos, dediquei-me ao ensino profissional, assumindo cargos como Diretor de escolas, Diretor de Organização e Planejamento, além de Diretor Técnico. No SESI-SP, assumi o cargo de Diretor de Operações. Na área corporativa de SESI-SP e SENAI-SP, fui responsável pela Coordenação de Gestão e Planejamento. Atualmente, sou Diretor Regional do SENAI-SP, Superintendente do SESI-SP e, desde 2011, membro titular do Conselho Estadual de Educação de São Paulo. Ainda, fora do Brasil, atuei como consultor do Banco Mundial no Projeto de Reorientação do Sistema de Formação Profissional do Marrocos.

Exper - Qual a importância do SENAI na vida profissional de um aluno?
Walter Vicioni -
Para entender essa importância, vou contar uma experiência recente. Num final de semana, precisei contratar os serviços de um eletricista, para realizar um pequeno conserto em minha casa. Enquanto ele trabalhava, eu o observei. Notei o cuidado com que fazia cada etapa do trabalho, como conservava o local limpo e a arrumação dos seus instrumentos de trabalho. Apenas para confirmar, perguntei se ele tinha estudado no SENAI e ele respondeu que sim, terminara seu curso em Ribeirão Preto. Essa é apenas uma experiência, que poderia chegar a centenas de milhares, se escutarmos o relato de vida dos que, nos últimos setenta anos, concluíram cursos no SENAI-SP. O ingresso em uma de suas escolas não é apenas para dar ao jovem condição de “ganhar um salário para comprar um tênis de marca” e, muito menos, simplesmente para “tirá-lo da rua”, como dizem os que não conhecem o ensino do SENAI. O aluno que conclui o curso ganha uma identidade, torna-se um profissional, um atributo que terá orgulho de ostentar durante toda a sua vida. A partir de então, pode mudar radicalmente sua trajetória, conseguir emprego, uma promoção e até mesmo tornar-se dono de empresas, graças à formação que recebeu.

Exper - Quais recursos o SENAI utiliza para manter-se atrativo e despertar a participação dos colaboradores das indústrias?
Walter Vicioni -
O SENAI-SP cuida de seus profissionais – em especial técnicos e docentes -, promovendo atualização e aperfeiçoamento técnico e pedagógico. Também, é constante o deslocamento de nossos profissionais ao exterior, para acompanhar as alterações tecnológicas da indústria mundial. O SENAI-SP cuida, também, de seus recursos físicos, atualizando e adequando suas instalações, seus equipamentos/ instrumentos às demandas da indústria instalada no Estado de São Paulo. Com esses recursos, o SENAI-SP continua promovendo ensino profissional, técnico e tecnológico além de prestação de serviços tecnológicos a todas as empresas, sejam elas de qualquer porte e de qualquer ramo industrial.

Exper - O SENAI presta excelentes serviços. Como enfrentar os problemas oriundos da economia nacional e internacional, o processo de desindustrialização e continuar inovando e desenvolvendo novos projetos?
Walter Vicioni -
Durante 72 anos, desde sua instalação em 1942, o SENAI-SP encontrou uma forma eficiente para acompanhar as mudanças no processo de industrialização. Essa forma é o relacionamento muito próximo e o intercâmbio contínuo de informações com representantes da indústria. Assim, conta com empresários em seu Conselho Regional – presidido pelo Presidente da Federação das Indústrias de São Paulo, hoje Paulo Skaf -, nos comitês setoriais e locais.
Além disso, promove estudos e pesquisas sobre o perfil e a quantidade de profissionais que atuam nas empresas em todo o Estado, que orientam a oferta de suas escolas e a organização curricular de seus cursos. Ainda, promove estudos de avaliação, para verificar a inserção dos formandos de seus cursos no mercado de trabalho.
Ao lado de todos os estudos e informações, o SENAI-SP pode contar com estrutura flexível. Nesse sentido, por exemplo, com a desconcentração industrial da Grande São Paulo e deslocamento de empresas para o interior, o SENAI-SP não deixa de atender a essa nova demanda. Assim, num primeiro momento, as empresas podem contar com escolas móveis e com o deslocamento de técnicos de uma escola mais próxima. Quando se consolida um novo polo industrial, é o momento de instalação de uma nova Escola SENAI.
Assim, aliando estudos e flexibilidade no atendimento, o SENAI-SP pode adequar sua ação ao setor industrial em mudança.

Exper - A educação no Brasil vem passando por uma reestruturação, o que o SESI e o SENAI vêm fazendo para aprimorar e inovar na educação?
Walter Vicioni -
O SESI-SP vem promovendo uma verdadeira revolução na sua área educacional. Nesse sentido, a partir de 2007, o SESI-SP vem promovendo ações, que integram o planejamento estratégico da entidade, para elevar sistematicamente o padrão de qualidade do ensino ministrado em suas unidades.
Uma das ações de maior impacto vem sendo a implantação gradativa da educação integral em regime de tempo integral no ensino fundamental. Para tanto, iniciou programa de construção de novos prédios, em municípios em que o SESI-SP já atuava, contemplando instalações modernas e adequadas às atuais necessidades, sempre em substituição àquelas que não se encontravam em condições ideais de funcionamento.
Assim, hoje, grande parte dos alunos já estuda em escolas SESI que obedecem a uma nova concepção arquitetônica, que corresponde às suas expectativas e necessidades, com espaços diferenciados e apropriados aos projetos de educação, esporte, tecnologia e inovação, bem como estímulo à cultura.
No caso do ensino médio, vem promovendo a articulação com o ensino técnico do SENAI-SP. Todos os cursos oferecem metodologia de ensino própria, a “forma SESI de educar”, focada no processo da aprendizagem, em que o aluno é estimulado a buscar o saber. Essa metodologia não beneficia somente os alunos da rede SESI de ensino mas, também, de escolas públicas de municípios que firmaram parceria com o SESI-SP.

Exper - O senhor lançou o livro “Programa SESI-SP na Trilha dos Saberes”, conte-nos um pouco sobre esse projeto?
Walter Vicioni -
Trata-se de uma experiência pedagógica inovadora iniciada em 2007, na comunidade de Heliópolis. É um projeto de reforço escolar? De educação complementar? Tudo isso e mais. É, acima de tudo, a construção de um ambiente educacional que visa à transformação social, promovendo a aprendizagem, resgatando a autoconfiança e aumentando a autoestima de crianças e jovens, a partir de estratégias educativas diferenciadas. O aprendizado é construído a partir da resolução de problemas, na compreensão do contexto social, no lúdico, na produção de arte e cultura. A criança e o adolescente podem, então, aprender a ler e a escrever melhor, desenvolver ideias e conceitos matemáticos, mas principalmente transformar seus conhecimentos em competências importantes para toda a sua vida.
Essa experiência deve, em 2014, ser levada a outras regiões, adequando-se a cada realidade local.

Exper - O SESI tem uma programação muito elogiada no aspecto cultural, o que podemos esperar para os próximos meses?
Walter Vicioni -
A programação cultural do SESI-SP inclui diferentes temas e espetáculos de teatro, música e dança, sessões de cinema, exposições, encontros literários e outras atividades. Em 2013, o destaque foi a produção de espetáculos de teatro musical, como “Lampião e Lancelote” - premiado em três categorias do Prêmio Bibi Ferreira, inclusive Melhor Musical - e “A Madrinha Embriagada”, grande sucesso de público. Em 2014, a novidade é a implantação do Curso Técnico para formação de profissionais para atuar em Teatro Musical.

Exper - Os empresários da indústria devem ficar confiantes sobre os rumos da educação brasileira?
Walter Vicioni -
A educação brasileira, especialmente a realizada na rede pública de ensino, tem ainda um longo caminho a trilhar. Nas últimas décadas, sob o ponto de vista quantitativo, tivemos um ganho expressivo, que foi a universalização do ingresso no ensino fundamental. Mas, do ponto de vista qualitativo, persistem – e, até mesmo, se agravam – a evasão, a repetência, os problemas extremamente sérios no processo de aprendizagem. Se acompanharmos a trajetória dos que iniciam a educação básica, constataremos que é muito grande o número dos que não concluem seus estudos. E, entre os que concluem, são graves as deficiências em sua formação.
Embora diagnósticos sejam feitos nas várias instâncias governamentais, as medidas adotadas geralmente são pontuais, limitadas e parciais. Falta um plano estruturado de medidas, por meio da implantação de uma efetiva política educacional.

Exper - Quais características que a educação brasileira tem que diferencia de outros países?
Walter Vicioni -
Tenho a convicção que, no Brasil, a educação – incluída a formação profissional - terá sua efetividade maximizada se vinculada e integrada a um Plano de Nação. Não é mais possível conviver com uma política fragmentada. É fundamental que as políticas socioeconômicas e educacionais sejam articuladas e complementares, como já ocorre em outros países.
A proposta de integração da política educacional a um Plano de Nação leva em conta a necessidade de continuidade e de coerência entre as ações governamentais. Um governo pode – e deve – rever medidas, corrigir erros e realinhar projetos, mas não substituir um plano de Estado, que consubstancia o ideal de um povo e as demandas de sua realidade socioeconômica.

Exper - Qual o maior desafio para 2014?
Walter Vicioni -
No caso da atuação do SESI-SP e do SENAI-SP, o desafio maior é ampliar, em todas as frentes de atuação, a eficiência e a inovação nos serviços, produtos e processos, com comprometimento e responsabilidade, o que fortalece a confiança dos cidadãos, de empresários e dos trabalhadores da indústria nos projetos encabeçados pelas entidades.