Exper News - Negócios

Negócios

 


8 dicas para você enfrentar a crise

fonte Meu Negócio

Atualmente, quando sentamos em frente à TV, logo nos deparamos com os telejornais repletos de péssimas notícias sobre atual crise na economia brasileira. PIB retraído, dólar em alta, queda nas notas das agências de avaliação de investimentos, baixo poder de compra do consumidor, além das constantes críticas a gestão do governo.

Todos esses fatores pesam para os empreendedores e são momentos cruciais para a empresa seguir em frente ou aquela dívida que não foi sanada pode se tornar uma avalanche destruidora.

Para enfrentar esses momentos, é preciso planejamento e conhecimento do seu próprio negócio. A estratégia certa pode fazer esta crise virar uma grande oportunidade de crescimento, sobressaindo-se de seus concorrentes, além de expandir os negócios. Porém, pode-se viver o outro lado da moeda, no qual uma empresa, que ainda não superou a fase de maturidade, pode cair em uma armadilha impossível de sair. Essa escolha depende exclusivamente do empresário.

Mas você pode questionar: “Qual empresário quer ver seu investimento perdido?”. Nenhum, porém, é preciso estratégia, planejamento e controle para enfrentar o momento.

Buscar esses fatores é decisão exclusiva do investidor e para ajudar o Grupo Meu Negócio cita8 dicas para enfrentar essa turbulência.

1 – Controle Financeiro
Controlar gastos é o básico para qualquer gestão financeira eficaz, porém, para isso, é preciso disciplina. Organizar cada despesa e controlar cada centavo do caixa é o ponto chave para um controle financeiro.

Esta ação não deve ser deixada de lado, pois todas as próximas dicas partem do pressuposto que o empreendedor possui um controle financeiro atualizado.

Portanto, neste momento da economia, é preciso ter disciplina, colocar a “mão na massa” e trabalhar para organizar o controle financeiro, não apenas das saídas de dinheiro, mas também todas as entradas e, ao final de cada semana, quinzena ou mês (o que preferir!) fazer um confronto de entrada versus saída para analisar os lucros.

2 – Controlar as despesas
Por falar em controle financeiro, a próxima dica tem que ser essa: Controlar as despesas! Eliminar as despesas supérfluas que não agregam nenhum valor ao produto é essencial nesse momento.

Diariamente, pode ser gasto muito dinheiro com itens que não são um diferencial para sua empresa e isso precisa ser eliminado.

Busque alternativas que possuem um ótimo custo-benefício. Para isso, é preciso listar todas as despesas e analisar junto com a equipe quais podem ser eliminadas e alternativas paralelas para redução.

Listando todos os ganhos que podem ser gerados com essas reduções e multiplicando pela quantidade anual, o empreendedor terá uma surpresa grata e se sentirá motivado para seguir os próximos passos.

3 – Reduzir os custos fixos
Quanto você conseguiu reduzir de despesas? Um valor interessante?

Analisar os custos fixos, item por item, e buscar soluções deve ser uma ação constante. Negocie valores com fornecedores e encontre alternativas que não afetam a qualidade do produto.

Liste todos os itens utilizados, começando pelos mais críticos (aqueles que consomem uma boa parte do seu lucro).  Para isso, é preciso trabalhar valores, negociar formas de pagamentos e até pensar em eliminar fretes e movimentações.

Criar parcerias duradouras é muito importante, pois sua empresa pode se tornar um aliado do fornecedor (é importante tomar cuidado e não confundir parceria com dependência).

Ser dependente de apenas um fornecedor é um risco muito alto e é preciso fugir disso. O segredo é criar um laço de união.
4 – Renegociar dívidas

Ao analisar o seu controle financeiro, o empreendedor deparou que teve um bom faturamento no mês, reduziu suas despesas e até o custo fixo, mas na última linha do seu demonstrativo de resultado operacional, mas conhecido como DRE (dúvidas sobre essa ferramentas nos mande um email: caio@grupomeunegocio.com.br) deparou que o lucro foi baixo, pois paga mensalmente juros altos, já que utiliza cheque especial, paga empréstimo obtido para sanar o décimo terceiro salário e utiliza cartão de crédito para comprar matéria prima.

Nesta perspectiva, todo o trabalho será em vão se não realizar uma visita ao gerente do seu banco e buscar soluções. Seja sincero, mostre interesse para sanar a dívida e coloque na ponta do lápis o que você pode pagar por mês sem afetar o seu fluxo de caixa. Sempre bom ir para a agência com esse valor exato na ponta da língua.
Atenção com o que ele irá oferecer em troca, pois eles têm metas para bater e você pode virar “presa” fácil.

5 – Expandir o mercado

Reduziu as despesas e os custos, maximizou a margem de lucro? Agora, é preciso fazer uma curva crescente no seu indicador de faturamento. A pergunta que todos investidores devem fazer é: O que posso oferecer para os meus clientes que o meu concorrente não oferece? Qual mercado pode expandir? Qual é o meu oceano azul? (#dicadoempreendedor: Livro A estratégia do oceano azul, escrito por Kim, W Chan; Mauborgne, Renée).

A grande maioria dos empreendedores, quando enfrenta uma crise, foca apenas em redução das despesas e custos ou até mesmo como faturar mais e mais, sem pensar em buscar alternativas paralelas ao seu negócio. Por exemplo, na minha padaria, vendo centenas de pães e dezenas de litros de leite, mas, por que não posso oferecer um serviço de Buffet para empresas que querem, em um treinamento, realizar um coffee break?

Outro fator primordial e que pode trazer um retorno nas três esferas, curto, médio e longo prazo, é investir no marketing.
É preciso montar uma estratégia eficiente (buscar um profissional na área é determinante!). Mas, como irei investir em marketing neste período de crise? Este é o segredo, pois o seu concorrente pensará igual e não fará o investimento.

Esse é o momento de abocanhar sua parcela no mercado. Pense nisso!

6 – Inovação
Inovar produtos, serviços e seus processos é muito importante. Tornar a manufatura de seu produto mais eficiente pode reduzir despesas e custos. Busque inovações no mercado, mas com planejamento e estratégia.

Em tempos complicados, nos quais a maioria dos equipamentos é produzida fora do país e com o dólar em alta, é preciso atenção para não cair em dívidas que não serão pagas.

Planejar os ganhos com esses investimentos e quanto tempo sanará o pagamento deve ser o primeiro passo.

7 – Motivação dos funcionários

Um dos maiores bens de uma empresa são os conhecimentos dos seus colaboradores, pois com uma gestão eficiente e motivada, irão elevar o patamar de produção.

Porém, é preciso mantê-los motivados e com apetite para comprar a ideia de enfrentar a crise. Nesse momento, eles não podem ser a primeira opção para redução de custos, como por exemplo, cortar benefícios e ações que trazem bem-estar.

Mostrar o cenário e ser transparente deve acontecer sempre.

Todas as decisões estratégicas da empresa, após ter um plano formulado, devem ser transmitidas.

E o mais importante: como um bom gestor, o empresário precisa ouvir as oportunidades que os seus colaboradores citarem e trabalharem unidos para que elas sejam aplicadas. Neste momento, a união faz a força. É preciso trazer a equipe para o seu lado e juntos transformar a crise em oportunidade.

8 – Planejamento para 2017

O que aconteceu em 2016 que não pode acontecer em 2017? O que aconteceu em 2016 que irá refletir em 2017? O que farei em 2017 para superar 2016? Perguntas que irão iniciar o seu planejamento.

Agora que você tem controle financeiro, reduziu custos, despesas e negociou suas dívidas e juros, buscou novos mercados e inovações, tudo isso somado com a “pegada” que seus colaboradores irão ter, precisa, desde já, traçar o que se quer para 2017 e até mais adiante. Para um planejamento eficiente é necessário estar com os pés fixados no chão. Não inicie um sem realizar os passos anteriores e, mais que isso, é necessário ser sincero com você e sua empresa.

Coloque metas e objetivos factíveis, montando um plano de ação para conseguir essas métricas. Por exemplo: aumentar em 10% o faturamento mensal e reduzir em 15% as despesas e custos ou conseguir 5% de faturamento com novos clientes por mês. Não se esqueça de colocar em seu plano de ação os responsáveis e prazos, pois deve ser executado na data prevista, sem postergações.

Essas foram às dicas do Grupo Meu negócio para enfrentar uma crise ou momento complicado do seu empreendimento, contudo, o importante é entender que tudo isso deve ser inserido em um cenário de crise ou não.

Se o seu empreendimento está fluindo bem, pense em aplicar, pois terá um futuro mais brilhante. Para quem está passando cada vez com um tom vermelho mais forte no resultado da empresa, essa é a hora de unir forças e enfrentar as dificuldades.

O Grupo Meu Negócio está à disposição para ajudar e juntos enfrentarmos esta crise. O sucesso nos espera!