Exper News - Negócios

Negócios

 


Acordo de Paris já conta a adesão formal de 60 países

fonte AViV Comunicação

Após a adesão formal de 60 países responsáveis por 47,5% das emissões globais dos gases causadores do efeito estufa, ocorrida hoje em cerimônia na ONU em Nova York, o Acordo de Paris sobre Mudança do Clima está em vias de se tornar lei ainda este ano.  Um dos requisitos - que mais de 55 países aderissem formalmente ao Acordo – já foi cumprido. Agora resta atender à segunda condição para que ele entre em vigor:  contar com a adesão formal de países responsáveis ​​por 55% das emissões globais.   Como vários países já deram sinais de que ratificarão o Acordo ainda este ano, o World Resources Institute calcula que a contagem deve chegar a 97 países, representando 65% das emissões antes ou durante a próxima rodada de negociações climáticas, a CoP22, em Marrakesh em novembro deste ano.  A velocidade com que o acordo entrará lei é sem precedentes. Por exemplo, o Protocolo de Kyoto levou sete anos para se tornar lei.

A seguir estão as reações de especialistas internacionais em mudanças climáticas e em negociações climáticas:

"Que o Acordo de Paris esteja a caminho de quebrar o recorde como o tratado internacional que mais rapidamente se tornou lei é um bom presságio, pois é um sinal de que os países querem seguir esse caminho. Mas essa jornada apenas começou. O próximo teste será em Ruanda, em outubro, onde os países devem concordar com um calendário ambicioso para descontinuar os HFCs, que são perigosos gases de efeito estufa."
Liz Gallagher, Senior Associate, E3G

"A iminente entrada em vigor do Acordo de Paris é o sinal importante que as empresas têm estado à espera. Com esta orientação clara de rumo por parte dos líderes políticos, as empresas podem agora acelerar os esforços para alcançar um futuro de carbono zero."
Paul Polman, CEO da Unilever

 "Estamos muito satisfeitos com a velocidade sem precedentes com a qual este acordo histórico vai entrar em vigor. Isso mostra que os governos compreenderam e responderam à urgência do desafio do clima - um desafio demonstrado pelo recorde de temperaturas registrado mais uma vez este ano. A ratificação pela União Europeia, que responde por 12% das emissões globais de gases de efeito de estufa, será fundamental para atingirmos o limite exigido de 55 países e 55% das emissões. Os líderes europeus devem ser elogiados por ter concordado em acelerar o seu processo de ratificação. Os membros do The Prince of Wales’s Corporate Leaders Group conclamam a União Europeia para se manter na vanguarda da ação climática e se juntar integralmente ao Acordo de Paris nas próximas de semanas, provocando sua entrada em vigor na COP22 em Marrakesh."
Jill Duggan, diretor de The Prince of Wales’s Corporate Leaders Group

"O anúncio de hoje de que o Acordo de Paris entrará em vigor este ano é uma boa notícia para o planeta, e ressalta a crescente dinâmica da ação climática. Mas ainda há muito trabalho pela frente, tanto na implementação como no aumento da ambição dos países em relação a seus compromissos para reduzir as emissões, se quisermos atingir a meta de Paris de emissões líquidas zero até meados do século e evitar os piores impactos das mudanças climáticas. "
Alden Meyer, Diretor de Estratégia e Política, Union of Concerned Scientists

"Na ONU, hoje, 31 países aderiram ao Acordo de Paris, elevando para 60 o número de países e para 47,76% o total de emissões de gases de efeito estufa que já estão sob a égide do Acordo. Estamos agora muito perto de atingir o limite de 55 países e 55% das emissões globais para que o Acordo entre em vigor, especialmente com os compromissos de ratificar ainda este ano provenientes da União Europeia, Bulgária, Costa do Marfim, Austrália, Áustria, Nova Zelândia, Camboja, Canadá, Coréia do Sul, Alemanha, Hungria , Cazaquistão, Polônia e França. "
Eliza Northrop, Analista de Pesquisa, International Climate Initiative, World Resources Institute